-------- Pesquisar Neste Blog --------

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Poema - A História De Um Visionário/ Samuel Tenório

Hoje é um dia muito especial
Lembro-me da jornada inicial.
Minha mãe, que me deu de tudo
Foi à primeira professora a ensinar
O alfabeto, e começou a plantar
A semente com o seu mínimo estudo.


Enxerguei nela a bondade
De ser professor, com pouca idade
Já sabia o que queria de profissão.
Sábios foram os seus concelhos
Sou um reflexo nos múltiplos espelhos
Tinha um caminho a trilhar a missão.

Um sonho difícil mediante a realidade
Estava já reservado com exclusividade
Aos sete anos a enxada apresentada
Logo aprendi a trabalhar com ela
Arrancar o mato e fazer a roça bela
No campo a vida é bem movimentada.

Antes mesmo de o dia clarear
Estar de pé procurando trabalhar.
Fui nomeado de cabra e matuto;
A enxada, foice, faca e o arado
Rasgando a terra com o boi irado
Pra ganhar um trocado a saldar tributo.

Quando terminei a quarta série
Afrontei a todos os contrários e criei
Desavença pela vontade de querer
Estudar, na jornada ouvi de tudo:
Fio de agricultores não tem estudo,
Pra quê doido na ciência do saber?

Estudar é para os desenrolados…
Fiz parte do grupo dos isolados
A sentença era tanto quanto injusta:
Moleque matuto do sítio e da roça,
Os filhinhos eram feito pétala de rosa;
Nem um pouco isso me assusta.

Dia a dia a cumprir os afazeres
Da roça e os estudos meus prazeres.
Mamãe falava: filho trabalhe e estude
Num abraço apertado: “eu acredito
Em você”. Isso me dar força e edito
O presente modificando a juventude.

Algumas vezes desanimei,
Não desisti, pois, encontrei
Professores que me deram coragem
Um deles meu amigo José Mário
Dizia que eu era um visionário
De sonhos a driblar a defasagem.

Cuidei por muito tempo de vacas
No lombo levava as sacas
De milho a alimentar os animais
Um trabalho o quanto difícil
Mas, nunca foi nenhum sacrifício
Sempre dizia apenas até mais.

Em 2012 ENEM e o Vestibular
Fiz o primeiro o outro não pude pagar
O sonho prologado mais uma vez.
Em 2015 ingressei na universidade
Não aguentava de felicidade,
Ainda visto como simples freguês.

Esse aí, não passa nem um mês,
Matuto bravo sem o português.
Foi o que ouvi de incentivo
Dos que me viam de incapaz
Isso não tirava a minha paz
Do estudo sempre fui cativo.

O frio na barriga me tomou
No primeiro dia de aula, e, ajudou
A manter a calma, à vontade
De pertencer ao lugar almejado
Esse frio não será marejado
Faz parte da nossa identidade.

Às 17 horas, o prato sobre a mesa
Indaguei a mãe com estranheza:
Ia comer o quê entes da viagem?
Resposta repetida: filho vá, se alimente
Do teu estudo, tu és uma semente;
O doce beijo me dava coragem.

As paredes eu fiz de meu alicerce
Não saí dela mesmo que me dissesse
Que não era bom ficar naquele lugar
Tenho como escondo e proteção
Lembro-me dos dias de emoção
Ela atura o peso do corpo a descansar.

Hoje em dia sempre escuto:
O doutor de muito estudo,
Fez isso para fugir da roça.
Replico que sou um sonhador
Tenho o passado de agricultor
Plantar, capinar, andar de carroça.

Comer milho assado, galinha caipira,
A semente, a formiga me inspira;
Comer charque com cuscuz
Eu sou eterno matuto a escutar,
O pilão, a foice, a caneca, o piar
Do pinto, isso tudo me seduz.

Seja você carpinteiro, vaqueiro,
Vendedor, médico ou hoteleiro…
Dar-se como profissão virtuosa
Assim também é a de agricultor
Selecionei em ser professor
Orgulho da jornada gloriosa.

Em fim chegada a ocasião
De fechar o ciclo da missão
Com essa defesa de TCC
Sobre História e Literatura
Enxergo-me em abaixo altura
Eu ainda tenho muito a crescer.

Das palavras arranjo esse escrito
Para que veja nesse registo
Que vale muito apena sonhar
Perdoo os que anunciaram
A derrota com as pedras que jogaram
É, eu caí, perder também é ganhar.


O presente poema foi lido no dia 28 de dezembro, ao final da defesa do meu TCC: Literatura Como Fonte De Pesquisa Histórica. Coordenação de banca professor Bruno Câmera e avaliadores: Maria Giseuda de Barros, Emanoel Magno, Roberto Ferreira, no qual, alcancei a nota máxima. Agradeço a orientadora professora Zélia de Oliveira Gominho e os demais professores que contribuíram significativamente para a minha formação.



Comprando nos links abaixo você ajuda na manutenção do Blog Margem Literária. 

Amazon Brasil: http://amzn.to/2CznXq4
Sou Barato: https://goo.gl/WX1t17


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Como Escrever um Livro e Publicar na Amazon Gratuitamente?

Quero escrever um livro! Escrever um livro é um sonho para muitos, todavia, poucos se destinam a realizá-lo. Eu quero escrever ...